quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Vivenciando todo o poder do louvor

O que você sente ao abrir a boca e louvar a Deus? A resposta depende da realidade do seu coração naquele momento.
Sempre ouvi dizer que o louvor liberta e é verdade. Liberta da angústia, liberta da vontade de pecar, liberta de enfermidades, liberta da depressão. Liberta de toda espécie de prisão emocional e espiritual em que o ser humano possa se encontrar. Porém, algumas reflexões cabem aqui.
A primeira é a razão do poder do louvor. Em Salmos 22.3, lemos que Deus é “entronizado sobre os louvores de Israel”. Entronizar significa elevar ao trono, exaltar, estabelecer. Essa revelação é grandiosa. Quando louvamos ao Senhor, nós O colocamos no trono, ou seja, no controle das nossas vidas. O exaltamos acima de nós mesmos e acima de nossos problemas. Nós estabelecemos Seu governo em todo o ambiente, dentro e ao redor de nós. Por isso, durante o louvor algo acontece.
A segunda reflexão nos traz à memória o relato de Atos 16.25. Paulo e Silas cantam louvores a Deus e por meio de um terremoto, as portas das prisões se abrem. O interessante é que até onde sabemos, eles não eram músicos. Um louvor de pessoas comuns, sem treinos ou habilidades musicais, gerou um ambiente propício ao sobrenatural de Deus. Então, meus irmãos, abramos a nossa visão. Não precisamos ser cantores ou instrumentistas para experimentar o sobrenatural de Deus no louvor. O que nos encaminha à terceira meditação.
Não é qualquer louvor que agrada a Deus e faz diferença no coração humano. Precisa ser uma atitude sincera, uma entrega total. O salmista disse: “Louvarei ao SENHOR de todo o meu coração…” (Sl 111.1). Louvar é buscar comunhão com o Pai e isso não vai acontecer se a nossa mente estiver longe ou se o coração tiver interesses obscuros. É preciso falar, tocar ou cantar para Deus de todo o coração. Dando a Ele toda a nossa atenção, todo o nosso amor. Rendendo todas as nossas emoções e pensamentos a Ele. Somente este louvor total pode entronizar o Rei da Glória.
Para que possamos vivenciar experiências poderosas com Deus em meio ao louvor e adoração, precisamos entender a seriedade daquele momento. Louvar é ser guiado pelo Espírito Santo a centralizar Jesus e desfrutar da intimidade do Pai. Tenha expectativas com Deus. Tenha esperanças em Cristo, pela sua adoração.
Sempre que se aproximar de Deus em louvor, creia que, independente dos seus talentos, basta um coração sincero para algo poderoso acontecer. Ainda que ninguém veja. Ainda que seja só dentro de você.
“Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor”. (Salmos 51.15)
::Thais Monteiro – Colaboradora do Portal Lagoinha.comO que você sente ao abrir a boca e louvar a Deus? A resposta depende da realidade do seu coração naquele momento.
Sempre ouvi dizer que o louvor liberta e é verdade. Liberta da angústia, liberta da vontade de pecar, liberta de enfermidades, liberta da depressão. Liberta de toda espécie de prisão emocional e espiritual em que o ser humano possa se encontrar. Porém, algumas reflexões cabem aqui.
A primeira é a razão do poder do louvor. Em Salmos 22.3, lemos que Deus é “entronizado sobre os louvores de Israel”. Entronizar significa elevar ao trono, exaltar, estabelecer. Essa revelação é grandiosa. Quando louvamos ao Senhor, nós O colocamos no trono, ou seja, no controle das nossas vidas. O exaltamos acima de nós mesmos e acima de nossos problemas. Nós estabelecemos Seu governo em todo o ambiente, dentro e ao redor de nós. Por isso, durante o louvor algo acontece.
A segunda reflexão nos traz à memória o relato de Atos 16.25. Paulo e Silas cantam louvores a Deus e por meio de um terremoto, as portas das prisões se abrem. O interessante é que até onde sabemos, eles não eram músicos. Um louvor de pessoas comuns, sem treinos ou habilidades musicais, gerou um ambiente propício ao sobrenatural de Deus. Então, meus irmãos, abramos a nossa visão. Não precisamos ser cantores ou instrumentistas para experimentar o sobrenatural de Deus no louvor. O que nos encaminha à terceira meditação.
Não é qualquer louvor que agrada a Deus e faz diferença no coração humano. Precisa ser uma atitude sincera, uma entrega total. O salmista disse: “Louvarei ao SENHOR de todo o meu coração…” (Sl 111.1). Louvar é buscar comunhão com o Pai e isso não vai acontecer se a nossa mente estiver longe ou se o coração tiver interesses obscuros. É preciso falar, tocar ou cantar para Deus de todo o coração. Dando a Ele toda a nossa atenção, todo o nosso amor. Rendendo todas as nossas emoções e pensamentos a Ele. Somente este louvor total pode entronizar o Rei da Glória.
Para que possamos vivenciar experiências poderosas com Deus em meio ao louvor e adoração, precisamos entender a seriedade daquele momento. Louvar é ser guiado pelo Espírito Santo a centralizar Jesus e desfrutar da intimidade do Pai. Tenha expectativas com Deus. Tenha esperanças em Cristo, pela sua adoração.
Sempre que se aproximar de Deus em louvor, creia que, independente dos seus talentos, basta um coração sincero para algo poderoso acontecer. Ainda que ninguém veja. Ainda que seja só dentro de você.
“Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor”. (Salmos 51.15)
::Thais Monteiro – Colaboradora do Portal Lagoinha.com