terça-feira, 6 de agosto de 2013

REFLEXÃO: O BOM É INIMIGO DO ÓTIMO

Por: Fernando Fernandes (Programa Cases-internet) - Colaboração: Dângle Bordin

Quando Jim Collins cunhou essa frase, não imaginou o quanto ela influenciaria algumas pessoas. Infelizmente os seres humanos são conformistas e odeiam sair da tão famosa "zona de conforto". Quando consideram que aquilo que estão fazendo está “bom”, param, e não vão atrás da excelência, do "ótimo".
A dica dessa manhã é: não se conforme com o "bom" — você pode mais.

Há uma história sobre Nixon que ilustra muito bem o que estou querendo dizer. Num certo dia, ele solicitou à sua secretária que enviasse uma carta com algumas informações à alguns políticos. Após uns quinze minutos, ela apresenta-se ao então presidente com a carta pronta. Ele leu com calma, olhou para a secretária e disse: "você pode melhorar?" A secretária disse que sim, e voltou para sua sala. Após algum tempo retorna e Nixon fez a mesma pergunta. Na quarta vez, ela disse: “Senhor, esse é o meu máximo.” Ele então respondeu: "Ok, então agora pode enviar".

A pergunta é a seguinte, se ela podia ter feito melhor, por que não o fez logo na primeira vez? Porque estava conformada com o "bom". É isso que acontece com a grande maioria dos profissionais. Se conformam com o resultado de seus trabalhos e não vão em busca da excelência. Antes de concluir que seu projeto esteja "bom" e pronto para ser enviado à seus cientes, pergunte-se: posso fazer melhor? Essa pergunta, ou melhor, a resposta a essa pergunta, pode fazer uma grande diferença no resultado final daquilo que está fazendo. Não é apenas sua empresa e seus clientes que sairão ganhando. Você se tornará um profissional melhor. É esse tipo de profissional que as empresas estão buscando. Pessoas inquietas e em constante busca da perfeição; pessoas que sabem que tudo o que fizerem, podem fazer melhor.


"Inquietação e descontentamento são os primeiros requisitos para o progresso" ─ Thomas Edison